Apelo ao Parlamento Europeu : "DESENVOLVER A MEDIAÇÃO PARA RECONSTRUIR OS LAÇOS SOCIAIS

Destinataire(s) : Parlamento Europeu
Apelo ao Parlamento Europeu :  "DESENVOLVER A MEDIAÇÃO PARA RECONSTRUIR OS LAÇOS SOCIAIS

SEVILHA APELO EUROPEU :

"DESENVOLVER A MEDIAÇÃO PARA RECONSTRUIR OS LAÇOS SOCIAIS"


dirigido ao novo Parlamento Europeu constituído pelas eleições europeias de 9 de junho de 2024. 

                 Por iniciativa do Coletivo Europeu das Organizações Nacionais de Mediação*  

 

Para além de assinar, pode apoiar o coletivo europeu para financiar a promoção do apelo.

 

Há uma necessidade urgente de mediação. Todas as nossas sociedades europeias estão seriamente ameaçadas. A inflação e a precariedade do emprego estão a aprofundar as clivagens, conduzindo a um clima de revolta. As clivagens profundas estão a dilacerar o nosso tecido social. Põem em causa a nossa capacidade de "fazer sociedade". Aumenta o fosso entre a população e as instituições democráticas, nacionais ou europeias. As emoções e os conflitos sobrepõem-se ao gosto, ao prazer e à vontade de "viver juntos". O clima de desconfiança está a substituir a confiança, elemento fundamental da coesão social. As nossas sociedades estão a perder a sua capacidade de encontrar formas de regular e de manter as coisas unidas.


Há uma necessidade urgente de mediação. A mediação provou o seu valor na Europa. Tornou-se indispensável. Deve ser reinvestida em todos os locais e espaços onde as tensões e os conflitos afectam a vida quotidiana dos cidadãos, a sua segurança e a boa cooperação entre todos os actores e instituições. Deve estabelecer formas de resolução de problemas tão próximas quanto possível das pessoas, devolvendo-lhes assim o lugar que lhes cabe no exercício das suas responsabilidades na vida da comunidade.


Há uma necessidade urgente de mediação. A Europa afirmou-se como um ponto de referência para o encontro da diversidade e da coexistência a partir das diferenças entre os seus Estados e regiões. O nascimento de uma Europa unida demonstrou que uma sociedade de coexistência não é um modelo utópico, mas uma realidade realizável que exige um esforço contínuo de convivência. Os valores fundadores da Europa e o seu modelo social devem ser reforçados com a criação de um novo direito: o direito de acesso à mediação para todos os cidadãos, incluindo os recém-chegados. O direito de asilo (reconhecido internacionalmente pela Convenção de Genebra de 1954) deve ser a pedra angular do acolhimento e do apoio aos refugiados, qualquer que seja a origem da sua migração. 


Há uma necessidade urgente de mediação. Embora os estudos mostrem que as nossas sociedades europeias são cada vez mais tolerantes e abertas, as forças políticas estão a soprar sobre as feridas e os ressentimentos alimentados pelas dificuldades reais das pessoas para difundir uma cultura de ódio aos outros. Estas forças colocam novos desafios ao respeito dos direitos humanos, nomeadamente no que se refere ao dever de hospitalidade para com os migrantes.

 

É necessário fazer escolhas urgentes


Os primeiros signatários deste apelo (mediadores no terreno, académicos e responsáveis políticos que têm estado envolvidos no desenvolvimento da mediação desde há muitos anos em vários países da União Europeia) apelam aos actores, às instituições, aos grupos e aos indivíduos para "mediarem". A intervenção dos profissionais da mediação é essencial para a afirmação da coesão social e a sua eficácia depende da consciencialização e da cooperação de todos os cidadãos e das suas instituições.

 

Apelamos a que o direito de acesso à mediação seja promovido para todos. Cada pessoa, cada ator, deve poder encontrar, no seu ambiente imediato e em qualquer espaço social, um lugar onde possa ser acolhido, escutado, protegido pela confidencialidade, reconhecido em todas as suas dimensões, incluindo as emocionais.


A mediação deve ser desenvolvida em todos os países europeus de acordo com as suas características próprias:


● Nos bairros, os mediadores sociais profissionais, que provaram a sua eficácia, devem trabalhar ao lado dos mediadores cidadãos para gerir os conflitos de vizinhança e quotidianos e criar uma nova solidariedade nos bairros.

● Nas zonas locais, estabelecer uma ligação entre os residentes, os serviços públicos e as instituições locais e reavivar a participação democrática, que tem sido prejudicada pela multiplicidade de níveis de governação.

● Nas escolas, reunindo diferentes formas de mediação dentro e fora das escolas e fazendo das escolas uma escola de cidadania.

● Nas famílias, para prevenir e gerir conflitos que vão muito para além da vida do casal, nomeadamente a relação com os filhos e entre familiares de diferentes gerações.

● No sector da saúde, lares de idosos, albergues da juventude, para restabelecer a confiança entre os cuidadores, os assistidos, os jovens, os profissionais e as famílias.

● Para o acolhimento e apoio aos migrantes, permitindo-lhes serem cidadãos de pleno direito, com direitos e deveres iguais, e participarem na sua integração e no seu destino.

● Nas empresas, para antecipar, prevenir e gerir os diversos conflitos no trabalho.

● No domínio da justiça penal, através da mediação restaurativa, que não se baseia apenas na punição para fazer justiça, mas abre os corações das vítimas, dos infractores e do seu ambiente social para restabelecer os laços.

● Para as questões ambientais, desenvolvendo a mediação para apoiar a transição ecológica e regular os conflitos ligados ao ambiente, como os relacionados com os conflitos de utilização para salvaguardar os bens comuns, como a água e as zonas naturais, e entre o homem e a natureza, parte interessada na mediação.

 

Para reforçar e desenvolver esta mediação, apelamos ao desenvolvimento, em cada país europeu, de "cidades e territórios de mediação" que proponham uma visão e uma política global para a inserção da mediação em todos os domínios da vida dos habitantes e se comprometam a garantir-lhes o acesso à mediação.


Isto exige uma REUNIÃO DE TODOS OS ATORES DA MEDIAÇÃO para promover todas as formas de mediação a nível das instituições e dos Estados nacionais e europeus, a fim de avançar para uma sociedade e uma Europa mais inclusivas, pacíficas e sustentáveis.


Para pôr em prática esta mobilização em torno da mediação, apelamos ao lançamento de uma dinâmica em que todas as forças políticas, sociais e civis participem na constituição de fóruns de mediação a nível das cidades, dos Estados e depois da Europa para elaborar o seu conteúdo.



SE É UM MEDIADOR, UMA ORGANIZAÇÃO DE MEDIAÇÃO, UM POLÍTICO OU UMA INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL PELA COESÃO SOCIAL, OU SIMPLESMENTE UM CIDADÃO EUROPEU,

AO ASSINAR ESTE APELO,

- Compromete-se a promover a mediação como meio de reconstrução dos laços sociais;

- Solicita a todos os candidatos ao futuro Parlamento Europeu e a todos os futuros representantes eleitos que se comprometam, durante o próximo mandato, a tomar todas as medidas para promover a mediação.

 

Coletivo europeu de organizações nacionais de mediação.


Europa: Associação Europeia de Mediação Social CreE.A, AÏSSA ONG de mediação

Bélgica: Forum de médiation dans les quartiers, Forum bruxellois de médiation dans le quartier, Association de médiateurs familiaux, Association de médiateurs dans les hôpitaux, Union belge des médiateurs professionnels.

Espanha: Barró, Sevilla Acoge

França : Associação Nacional de Mediadores, Rede de Mediadores de Empresa.

Itália: Federação Nacional da Justiça Reparadora.

Portugal : Federação Nacional de Mediação de Conflitos (FMC)

Rede de Ensino Superior de Mediação Intercultural (RESMI)

 

Para além de assinar, pode apoiar o coletivo europeu para financiar a promoção do apelo.

Auteur : Coletivo europeu dos organismos nacionais de média social.

<% $t("Number of signatures:") %>

En signant la pétition j'accepte que Les Lignes Bougent traite mes données à des fins de gestion des signatures et des commentaires. J’accepte également d’être informé(e) des actions citoyennes initiées via Les Lignes Bougent. Pour en savoir plus sur ces traitements et sur mes droits, je consulte la politique de confidentialité. Tout commentaire doit respecter la charte des contenus de la communauté LLB. Lire la charte.
<% $t("Hour") %> <% $t("Postal Code") %> Nom
<% signature.lapse %> <% signature.details.postalCode %> <% signature.details.name %> <%signature.details.surname %>

Commentaires